1

Gavião Kyikatejê Futebol Clube dá exemplo de determinação através do esporte

Todo mundo já deve ter ouvido falar no Gavião Kyikatejê Futebol Clube. Se ainda não ouviu, saiba que esse é o primeiro clube de um povo tradicional a disputar a divisão principal de um campeonato estadual de futebol. Os atletas que formam a equipe fizeram uma participação especial na Semana dos Povos Indígenas, em São Félix do Xingu.

O time é um exemplo de organização, determinação e prática esportiva. Anteriormente formado totalmente por indígenas, hoje a equipe já aceita jogadores que não tenham raiz indígena. Embora seja original da cidade de Bom Jesus do Tocantins, o clube faz parte da liga futebolística de Marabá.

O técnico do clube é o também cacique Zeca Gavião. Ele explica que o Gavião Kyikatejê acabou com o paradigma de que o indígena vive sempre de forma isolada. “O início dependeu muito da força de vontade, da insistência e da coragem”, destaca.

Após sua criação, em 2009, o clube viveu momentos marcantes. A classificação para a segunda fase do Campeonato Paraense de 2014 é um exemplo. O Gavião Kyikatejê superou equipes tradicionais, como Águia de Marabá e Tuna Luso Brasileira.

Desafios – Mas antes de alcançar essas conquistas, o time passou por alguns desafios, como a falta de categorias de base. Porém, isso não foi um impedimento para o sonho de formar um time de futebol profissional indígena. “A ideia é trazer índios de todas as etnias para jogar. O caminho é longo porque falta apoio. Por exemplo, entre os Kayapó existem muitos talentos, só que leva tempo para prepará-los”, disse Zeca Gavião

A atual formação do Kyikatejê inclui indígenas da etnia Kayapó, Xerente, Pucobié, do Maranhão, e está aberto a outras etnias. Nos anos de existência, o Gavião já lançou atletas para os cenários esportivos nacional e internacional.

O desempenho do clube incentivou gerações de Kyikatejê. Um deles é Apreire Gavião, 36, que joga em duas posições: zagueiro e goleiro. Ele sempre treinou e viu seus parentes jogarem pelo clube, como o pai e os irmãos.

Hoje, uma nova geração está sendo formada. O filho do zagueiro, Krouakratati Gavião, de 10 anos, já pensa em se tornar um jogador profissional. “Quando crescer quero ser um grande jogador e um grande guerreiro Kyikatejê”, comentou.

Esporte – O povo Gavião tem em suas tradições a característica marcante da prática de esportes, como a corrida de toras: as equipes de revezamento (formada somente por homens) carregam troncos de buriti nos ombros. O mais importante não é quem chega primeiro, o que vale é o divertimento. A comemoração é maior quando as equipes chegam juntas ou quase juntas.

Por Márcio Flexa
Fonte:Agência Pará


Was This Post Helpful:

0 votes, 0 avg. rating

Share:

admin

Leave a Comment